Coluna do Borracha: ''Marc Marquez 100%''

O que se pode fazer? Se fosse Bernie Ecclestone o chefão da MotoGP, provavelmente ele iria inventar uma troca de pneus, ou mesmo de motos para barrar o menino. Quem sabe até um reabastecimento no meio da corrida, ou quem sabe mandar levar lastro. Mas quem manda não é ele, portanto não tem nada a se fazer, apenas aplaudir.

Onde vai chegar esse pequeno gênio das pistas? Com certeza ao bicampeonato, parece ser prematuro afirmar isso, mas não restam dúvidas que ele realmente não tem adversários esse ano, é só esperar mais alguns meses e comemorar o título antes do fim do ano. Na corrida Argentina, pista nova, desconhecida de todos, e que deveria ser um grande desafio, deu para perceber que nada disso foi problema, aliás, Marquez continua sozinho andando na frente, Pedrosa, Rossi e Lorenzo se pegando e os outros tentando aparecer no filme, parece ser uma categoria à parte que o menino corre. 
A vida acaba sendo assim, sem sentido para quem comenta, porque na verdade não existe mais nada a ser dito, o espanhol desequilibrou de tal maneira a categoria que resta apenas, quem sabe, ele mudar de equipe, até porque a Honda fez uma moto impressionante para esse ano, ou fazer com que ele ande em apenas uma roda. 
No fim de semana vai acontecer a etapa da Espanha, e correndo em casa, quem você acredita que é o favorito? Vou apostar nele, acho muito complicado pensar em outro piloto, tamanha a diferença que foi imposta aos outros, mas como dizia Juan Manuel Fangio, “Carreras son Carreras” e tudo pode acontecer. Será?

Falando em acontecer, a etapa do Alabama da Fórmula Indy foi um festival de maluquices. Primeiro que atrasar a largada em mais de duas horas arrebenta com qualquer programação de canal de TV, seja ele pago ou aberto. Segundo, deixar os pilotos andarem em uma pista com poças d água é no mínimo falta de sensibilidade dos organizadores, claro, só poderia virar um festival de batidas, saídas de pista e uma interminável participação do safety car (carro de segurança é o “Ó” né?). 

Resultado: Will “low” Power que tinha tudo pra ganhar e disparar no campeonato, acabou se atrapalhando sozinho e abriu caminho para o sonso Ryan Hunter-Ray vencer e se aproximar do australiano na classificação geral. O show ficou por conta de Montoya, que na sua volta à categoria mantém o estilo arrojado e pouco ortodoxo nas ultrapassagens. Melhor para o show, que não é o da vida, mas continua sendo fantástico! 
Vou ficando por aqui, torcendo pelo Marquez no fim de semana e para a NET não derrubar o sinal. Coisas de país da copa.

A gente se encontra na semana que vêm!

Beijos & queijos